Biblioteca Temporal – Review 10 – Vinte Mil Léguas Submarinas, por Júlio Verne

Biblioteca Temporal – Review 10 – Vinte Mil Léguas Submarinas, por Júlio Verne

A Biblioteca Temporal da C.A.T.I.A. apresenta, um clássico dos livros de ficção-científica: Vinte Mil Léguas Submarinas, por Júlio Verne.

Julio Verne foi um verdadeiro visionário. Ele descrevia máquinas maravilhosas em total operação e funcionalidade como se elas realmente já existissem nas décadas de 1870-1880.
Realmente uma literatura maravilhosa e apreciada no mundo todo.

Verne podia descrever todas as máquinas fantásticas em seus livros como se ele tivesse viajado ao futuro para vê-las em funcionamento. Submarinos, viagens super-rápidas ao redor do mundo, viagens ao espaço, viagens até o centro de nosso planeta. Realmente, Julio Verne foi um visionário, um escritor a frente de seu tempo, e com certeza deu um impulso sensacional ao gênero literário que hoje chamamos ficção-científica.

Vinte Mil Léguas Submarinas conta a história de um navio nunca antes visto no mundo, um submarino, um navio que podia viajar por baixo d’água, em grandes profundidades, local nunca explorado pelo ser humano até recentemente. Esse navio se chama Nautilus e é comandado pelo Capitão Nemo, que se junga um incompreendido, daí ter escolhido se retrair em um mundo só seu, nas profundezas do mar, onde ninguém pudesse encontrá-lo. Para esse fim ele concebe sua brilhante obra de engenharia, a qual só depende dos meios oferecidos pelo ambiente marítimo para sobreviver. É deste meio também que ele retira o alimento, e tudo que ele e seus homens necessitam para viver.

O clássico Vinte Mil Léguas Submarinas, é um dos livros mais conhecidos de Júlio Verne, tendo sua primeira edição datada de 1870. Nele o autor exercita sua incrível imaginação, ao conceber, na metade do século XIX, um submarino incrivelmente avançado, comparando-se aos submarinos nucleares de hoje em dia, totalmente independente da jurisdição e dos recursos terrestres, impulsionado pela eletricidade.

Os seres humanos não têm conhecimento da existência deste fantástico submarino, que conta em seu interior até mesmo com uma biblioteca e uma cozinha. Involuntariamente, porém, esta engenhosa máquina começa a destruir navios e outros barcos, e passa a ser confundido com um terrível monstro marinho. Desta forma tem início uma verdadeira caçada a ele.

Uma embarcação dos EUA, o Abraham Lincoln, com o naturalista francês Aronnax, seu serviçal Conseil e o habilidoso arpoador Ned Land a bordo, junto aos demais tripulantes, parte de Nova York em busca desta assustadora criatura. Ao se depararem com o suposto animal perverso, os protagonistas desta aventura caem nas águas, após a destruição da fragata, e são resgatados pelo Capitão Nemo.

Assim eles finalmente encontram o misterioso personagem, e ao seu lado vivenciam inúmeros feitos extraordinários, atingindo ilhas repletas de seres primitivos, combatendo tubarões, gigantescos polvos, e extraindo pérolas preciosas de conchas depositadas nos abismos marítimos.

Todas essas histórias saem da mente de um dos maiores escritores de ficção científica de todos os tempos. Ao longo de vários meses o submarino atravessa milhares de quilômetros abaixo da superfície, mantendo os viajantes do Abraham Lincoln aprisionados, mas livres para circularem pela embarcação.

Neste período o Náutilus perfaz a distância a que o título desta obra alude – vinte mil léguas -, permitindo aos seus membros conhecerem lugares os mais distintos e exóticos, e viverem as mais fantásticas histórias, ora sob o mar, ora na superfície.

Júlio Verne foi um romancista profundamente inspirado pelos avanços científicos e tecnológicos do contexto em que viveu. Esta marca no seu pensamento é tão profunda, que ele decide se dedicar à criação de uma obra mesclando ficção e conhecimentos proporcionados pela Ciência de sua época. Desta forma ele consegue transformar todo este saber em narrativas épicas, glorificando o esforço humano em seu combate aguerrido para subjugar e subverter as forças naturais. Suas histórias são tão extraordinárias e interessantes que renderam (e ainda rendem) grandes filmes, como a adaptação para a telona feita pela Disney, no ano de 1954, da estória do Capitão Nemo e o Náutilos. Um filme que traz no elenco nada mais nada menos que Kirk Douglas, James Mason, Paul Lukas e Peter Lorre, grandes nomes do cinema da década de 1950-1960.

Por: Prof. Barbado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *