Cabine Histórica: Viagem ao passado do dia 15 de Dezembro -Niemeyer!

Cabine Histórica: Viagem ao passado do dia 15 de Dezembro -Niemeyer!

Cabine histórica é a nossa viagem com a C.A.T.I.A aos fatos históricos da humanidade e por toda a linha temporal,hoje viajamos para:

O dia 15 de dezembro de 1907 quando nascia, no Rio de Janeiro, o arquiteto Oscar Niemeyer Soares. Considerado um dos mais influentes nomes na arquitetura moderna, ele foi o percussor da exploração das possibilidades do uso do concreto armado. Seus trabalhos mais conhecidos são os edifícios públicos desenhados para a cidade de Brasília. Contudo, ele também é autor de inúmeros projetos em São Paulo (como o Parque do Ibirapuera, edifício Copan), no Rio de Janeiro (Sambódromo) e em várias outras cidades do Brasil e do mundo.

Ele também foi um dos colaboradores do projeto da sede da ONU, em Nova York. Durante a carreira, contou com a importante parceria dos engenheiros Joaquim Cardozo (1897-1978) e José Carlos Sussekind (1947). O primeiro foi responsável pelo cálculo da maioria das obras de Brasília e o segundo pelas obras da década de 70 até os dias de hoje. Niemeyer também sempre participou das lutas políticas. Em 1945, conheceu Luís Carlos Prestes e filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). Por conta de sua posição política, durante o regime militar no Brasil, ele se exilou na França. Em Paris, montou um escritório e realizou trabalhos para diversos países.

O arquiteto retornou ao Brasil após aprovada a anistia, em 1979. Seus projetos de destaque nesta época são os CIEPs e o Sambódromo do Rio de Janeiro. Recentemente, em 2007, Niemeyer presenteou Fidel Castro com uma escultura antiamericana, na qual um figura monstruosa ameaça um homem que se defende com uma bandeira de Cuba. Viúvo desde 2004, ele se casou novamente em 2006, com a secretaria Vera Lúcia Cabreira, de 60 anos. Em 2009 e 2010, o arquiteto passou por alguns problemas de saúde, precisou ser internado, mas se recuperou.

O Brasil conquistou seu lugar na história da arquitetura mundial graças a Oscar Niemeyer Ribeiro Soares Filho, cujas obras – prédios-esculturas – estão presentes não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos, França, Alemanha, Argélia, Itália e Israel, entre outros países.

Apesar de sua preocupação com a funcionalidade das obras que criou, sua atenção à estética é mais que evidente. A maioria dos arquitetos reconhece nele um desenhista extraordinário. Além disso, em geral se associou a grandes artistas plásticos para completar suas construções: Cândido Portinari, Bruno Giorgi, Alfredo Ceschiatti, Burle Marx e Tomie Othake.

Niemeyer matriculou-se na Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1929. Obteve o diploma de engenheiro arquiteto em 1934. Dois anos depois, já trabalhava no escritório de Lúcio Costa, integrando a equipe que projetou o prédio do Ministério da Educação, um marco da arquitetura brasileira.

Le Corbusier e Juscelino
Através de Lúcio Costa, conheceu o arquiteto franco-suíço Le Corbusier, que foi uma influência definitiva na sua vida e com quem teria oportunidade de colaborar. Também com Lúcio Costa, viajou para Nova York em 1939 para projetar o Pavilhão do Brasil na Feira Mundial que acontecia naquela cidade.

O ano seguinte reuniu Niemeyer ao político Juscelino Kubitschek, então prefeito de Belo Horizonte, que o convidou para projetar o Conjunto da Pampulha – obra que o arquiteto até hoje considera uma de suas favoritas.

Niemeyer ingressou no Partido Comunista Brasileiro em 1945 e essa opção política veio a lhe criar diversos problemas. Em 1946, foi convidado a dar um curso na Universidade de Yale nos Estados Unidos, mas não pôde entrar no país. No entanto, no ano seguinte, ganhou por unanimidade o concurso para a construção da sede da Organização das Nações Unidas em Nova York e obteve o visto de entrada para desenvolver seu projeto.

No início da década de 1950 projetou o parque do Ibirapuera e o Edifício Copan, que se tornariam cartões-postais da cidade de São Paulo. Também viajou pela primeira vez à Europa, participando do projeto para a reconstrução de Berlim.

Um monumento no planalto Central
Juscelino Kubitschek assumiu a Presidência da República em 1º. de janeiro de 1956. Entre outros projetos, pretendia construir uma nova capital no planalto Central do país e encarregou Niemeyer de organizar o concurso para a escolha do plano-piloto de Brasília, vencido por Lúcio Costa.

Em poucos meses, Oscar Niemeyer projetou o Palácio da Alvorada, o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional, a Catedral, os prédios dos Ministérios, além de edifícios residenciais e comerciais da nova capital, inaugurada em 21 de abril de 1960, embora as festividades tivessem começado na véspera.

No início dos anos 60, foi nomeado coordenador da Escola de Arquitetura da recém-fundada UnB (Universidade de Brasília), que tinha como reitor o antropólogo Darcy Ribeiro. Em 1964, foi surpreendido em Israel pela notícia do golpe militar de 31 de março no Brasil. Ao retornar ao país, em novembro, foi chamado a depor no famigerado DOPS – Departamento de Ordem Política e Social, um dos principais órgãos de repressão política da ditadura militar.

Exílio e abertura
Em 1965, juntamente com outros 200 professores, Niemeyer deixou a UnB em protesto contra a nova política universitária do governo. Praticamente impedido de trabalhar no Brasil, o arquiteto transferiu-se para Paris, onde projetou a sede do Partido Comunista Francês. Além de projetos na Itália (sede da Editora Mondadori) e na Argélia (Universidade de Constantine, Mesquita de Argel), acompanhou exposição sobre sua obra na Europa.

No início da década de 1980, com o abrandamento ou distensão política da ditadura militar, a chamada “abertura lenta, segura e gradual”, Oscar Niemeyer voltou ao Brasil. Em 1980 mesmo, projetou o Memorial Juscelino Kubitschek em Brasília. Quatro anos depois, sob o governo de Leonel Brizola, no Rio de Janeiro, projetou o Sambódromo. Em 1987, o Memorial da América Latina em São Paulo.

Sua produtividade é impressionante: em 1991 projetou o Museu de Arte Contemporânea de Niterói e ao longo dos dez anos finais do século 20 criou várias outras obras importantes. Não interrompeu seu trabalho nos primeiros oito anos do século 21, desenvolvendo projetos no Brasil, em Oslo (Noruega), em Moscou e em Londres. E até pouco tempo antes de sua morte mantinha-se produtivo e lúcido.

O lado humano
No plano pessoal, casou-se com Annita Baldo, em 1928, com quem teve somente uma filha Anna Maria Niemeyer. Niemeyer tem cinco netos, treze bisnetos e quatro trinetos. Segundo depoimento do arquiteto, foi o casamento que o fez compreender a responsabilidade e o direcionou para o trabalho com seriedade.

Não se pode concluir uma biografia sua sem destacar seu caráter e generosidade: foi um homem corajoso que não hesitou em desprezar honrarias em prol de suas ideias, tendo se desligado da Academia Americana de Artes e Ciências em protesto contra a guerra do Vietnã. Além disso, fez diversos projetos gratuitamente, em benefício das causas que inspiravam sua construção.

Também colaborou na manutenção do líder comunista Luís Carlos Prestes, que não dispunha de renda própria na velhice. Vale lembrar que ambos se desligaram do Partido Comunista Brasileiro em 1990, por discordar dos rumos que a agremiação tomava.

Com um quadro de complicações renais e desidratação, Niemeyer morreu em 5 de dezembro de 2012, no Hospital Samaritano no bairro de Botafogo no Rio de Janeiro, onde estava internado desde o dia 2. Seu corpo foi velado no Palácio do Planalto, sede do governo federal em Brasília e uma de suas próprias e marcantes obras.

Foi enterrado no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, em 7 de dezembro de 2012. O arquiteto completaria 105 anos em pouco mais de uma semana.

Veja mais fatos históricos nesse dia:

37 – Nasce Cláudio César, imperador de Roma.
1535 – Enviados ingleses pressionam por uma aliança entre o rei Henrique VIII e a Alemanha.
1572 – O historiador português Damião de Góis é condenado à prisão perpétua pela Inquisição.
1640 – Dom João IV faz o seu juramento solene como Rei de Portugal.
1789 – Forças francesas retomam Roma e derrotam o reino de Nápoles.
1806 – Napoleão Bonaparte invade a Varsóvia, na Polônia.
1832 – Nasce Alexandre Gustave Eiffel, engenheiro e construtor francês, conhecido mundialmente por desenhar a torrde de Paris que leva o seu nome.
1907 – Nasce Oscar Niemeyer, arquiteto considerado um dos maiores expoentes do movimento moderno da América Latina.
1939 – Estréia um dos maiores clássicos do cinema mundial. “… E o vento levou”, acabou premiado com dez Oscars.
1944 – Um ciclone mata cerca de 10 mi pessoas na região do rio Ganges, em Bangladesh.
1961 – A Assembléia Geral das Nações Unidas vota contra a proposta soviética de admitir a China como um de seus membros.
1961 – Em Israel, Adolf Eichmann, o coronel nazista responsável pela deportação de judeus para campos de concentração, é condenado a morte.
1964 – O Parlamento do Canadá adota uma nova bandeira nacional, com o desenho de uma folha vermelha num fundo branco.
1965 – Lançamento da Gemini 6, que se encontraria no espaço com a Gemini 7.
1978 – O presidente norte-americano Jimmy Carter anuncia que seu país estabeleceria relações com a China a partir de 01 de janeiro de 1979.
1982 – A Espanha entra na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança criada em 1949, que visava manter a integridade da Europa e da região do Atlântico norte.
1983 – Oitenta soldados norte-americanos deixam Granada, apenas seis semanas após a invasão dos Estados Unidos à ilha no Caribe.
1990 – Um padre e seu filho são sentenciados culpados em primeiro grau, com relação à morte de Chico Mendes no Brasil.
1991 – O navio Salem Express bate em um recife de coral, a 600 quilômetros do Cairo, matando 474 pessoas.
1992 – O governo de El Salvador e líderes da guerrilha esquerdista do país declaram o fim da guerra civil que havia durado 12 anos.
1993 – Líderes britânicos e irlandeses assinam documento para a negociação de paz na Irlanda do Norte.
1993 – A Lista de Schindler, um grande sucesso do diretor Steven Spielberg retratando o Holocausto, estréia nos cinemas norte-americanos.
1994 – O Senado aprova o projeto de lei que permite a entrada de TVs a cabo no Brasil.
1995 – Torcedores paulistas são baleados no Rio de Janeiro depois de entrarem por engano na favela Vila João. Eles saíam do jogo Santos e Botafogo quando erraram o caminho de volta.
1996 – O astro do blues B.B. King apresenta-se a um público de 85 mil pessoas no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, no que foi considerado um dos maiores shows do músico.
1999 – Aprovada nova constituição na Venzuela.
2000 – Os operadores da estação nuclear Chernobyl, na Ucrânia, fecham a instalação permanentemente, 14 anos após ocorrido o maior acidente nuclear do mundo no local.

 

Fonte:

Redação Terra

History Channel

Gostou do Post?

Curta e compartilhe a page >> Cabine do tempo no facebook! e o Twitter do cabine do tempo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *