Cabine Histórica: Viagem ao passado do dia 11 de Julho – Nasce Robert I, the Bruce, o rei escocês de Willian Walace

Cabine Histórica: Viagem ao passado do dia 11 de Julho – Nasce Robert I, the Bruce, o rei escocês de Willian Walace

Cabine histórica é a nossa viagem com a C.A.T.I.A aos fatos históricos da humanidade e por toda a linha temporal,hoje viajamos para:

O dia 11 de Julho de 1274, quando nasceu uma das figuras históricas mais importantes para a História das Ilhas Britânicas, Robert I, o Bruce, se tornaria o rei da Escócia independente.

Robert Bruce VI, também conhecido como Robert I, foi o rei da Escócia independente da Inglaterra. Nasceu nas terras ancestrais da família Bruce, provavelmente no castelo de Turnberry, em Ayrshire, em 11 de julho de 1274, tendo se auto-coroado rei da Escócia em 1306 após a grande batalha de Bannockburn. Seu sobrenome, Bruce, deriva do normando de Brus ou de Bruys, que vem de Brix, próximo a Cherbourg, na Normandia, porém sua família já era bastante antiga na Escócia.

Robert Bruce VII foi um dos mais famosos e corajosos guerreiros de sua geração. Comandou os escoceses durante as Guerras de Independência Escocesa contra o domínio esmagador da Inglaterra. Reivindicou o trono na qualidade de descendente (sexta geração) de Davi I da Escócia. Era o segundo conde de Carrick, para se distinguir do pai e do avô, que tinham o mesmo nome; ele é frequentemente referido como Robert Bruce VII, já que todos os primogênitos tinham o nome de “Robert”. No fim da vida, doente, refugiou-se no castelo de Cardoss, na margem norte do Firth of Clyde. Era neto de Robert Brus V “o Nobre” ou “o Velho Pretendente” que, em 1286, quando morreu Alexandre III, tinha sido pretendente ao trono contra Balliol e contra os Comyn, poderosa família da época, que controlava grande parte da administração escocesa na corte.

Primogênito, foi o sétimo senhor de Annandale e Rei da Escócia em 1306. Seu pai, também chamado Robert Bruce, conhecido como Robert Bruce VI (1253-1304), senhor de Annandale, cujas terras sua família comandava havia gerações, era também conde de Carrick por direito de sua esposa, com quem se casou em 1271 e era senhor do castelo de Turnberry também pelo direito da esposa. O Condado de Carrick, no sudoeste da Escócia, não existia com esse nome até 1186. Toda a região sudoeste da Escócia era denominada Galloway, e era povoada por descendentes dos Pictos, possuindo um governo próprio (um rei ou sub-rei). Em 1186, para resolver um problema de herança e sucessão, Galloway foi amputado para que surgisse o condado de Carrick.

A juventude do futuro rei foi igual àquelas que são ensinadas aos jovens nobres e cavaleiros. Conviveu com as duas culturas reinantes naquela época: a gaélica, já que sua mãe descendia desse povo e as terras de Carrick eram gaélicas havia gerações, e com a anglo-normanda, que, vinda da Inglaterra, influenciava a Escócia. As duas casas reais tinham um longo passado de parentesco e a Escócia era vista como a irmã pobre da ilha, mais atrasada e rural do que a Inglaterra. Robert com certeza viajava muito com o pai entre as terras e castelos da família, Lochmaben em Annandale e Turnberry e Loch Doon em Carrick, passando temporadas nas terras inglesas, o que era comum, pois muitos lordes possuíam terras na nação vizinha. Robert também frequentou a corte de Eduardo I desde muito jovem por influência do pai, e jurou fidelidade ao rei inglês em 1296 enquanto conde de Carrick pois era costume no sistema feudal. Além disso, ele combatia o clã dos Balliol, que competiam com os Bruces pelo trono. Renovou o voto de homenagem mais tarde em Carlisle. Muito provavelmente era letrado e falava o latim, língua da igreja católica, o francês, falado constantemente na Inglaterra, e o gaélico escocês. Devia ser treinado nas artes cavalheirescas, na espada e na luta corporal.

Os Bruces são um interessante anacronismo. Eles absorveram aspectos de diferentes culturas, em especial da gaélica, de onde Robert tinha ascendência até seis gerações. Havia algumas similaridades entre a vida gaélica e a anglo-normanda que muito certamente definiram o jeito de ser do futuro rei: ambas toleravam certa violência e as duas davam grande valor à lealdade aos seus senhores e à sua identidade.

Veja mais fatos históricos nesse dia:

1953 – O Departamento de Estado americano anuncia que o presidente sul-coreano, Syngman Rhee, aceitou os termos da proposta de paz na Coreia.
1960 – A mais rica província congolesa, Katanga, é declarada independente pelo líder regional Moïse Tshombe.
1967 – Parte do Rio de Janeiro, com destino a Rondônia, o primeiro grupo de participantes do Projeto Rondon, com 27 universitários.
1973 – O general Ernesto Geisel deixa presidência da Petrobrás.
1973 – Um avião da Varig cai em Paris e provoca a morte de 122 pessoas, entre elas o senador Filinto Müller e o cantor Agostinho dos Santos.
1978 – Duzentas pessoas morrem e seiscentas ficam feridas devido à explosão de um caminhão carregado de propano numa praia do Mediterrâneo, entre Valencia e Barcelona.
1979 – A Comissão Internacional de Caça da Baleia proibe por 10 anos a captura do cetáceo no mar Vermelho, no mar da Arábia e em grande parte do oceano Índico.
1979 – Destroços da estação espacial americana Skylab caem na parte oriental do oceano Índico e no sudoeste da Austrália.
1984 – Bomba destrói embaixada da Líbia em Beirute.
2001 – O presidente do Quênia pede à população do país que se abstivesse de manter relações sexuais durante 2 anos para conter o alastramento da AIDS.
2002 – O Senado italiano aprova, por 146 votos contra 89, uma lei de imigração considerada uma das mais restritivas da Europa.

Fonte:

Redação Terra

History Channel

Gostou do Post?

Curta e compartilhe a page >> Cabine do tempo no facebook! e o Twitter do cabine do tempo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *