Cabine Crítica: A Menina que Roubava Livros! (Filme)

Cabine Crítica: A Menina que Roubava Livros! (Filme)

Fala galera, hoje eu Léo Bruski vim aqui invadir a coluna do Sr. Samuel Ragnus e hoje vou falar sobre um filme que saiu agorinha no cinema “A Menina que Roubava Livros” ou do título original “The Book Thief“.

O filme se baseia no livro de mesmo nome e conta a história de uma jovem menina chamada Liesel Meminger (Sophie Nélisse) que sobrevive fora de Munique através dos livros que ela rouba. Ajudada por seu pai adotivo (Geoffrey Rush), ela aprende a ler e partilhar livros com seus amigos, incluindo um homem judeu Max (Ben Schnetzer) que vive na clandestinidade em sua casa. Enquanto não está lendo ou estudando, ela realiza algumas tarefas para a mãe (Emily Watson) e brinca com a amigo Rudy (Nico Liersch). Sem spoilers pessoal, isso é só a sinopse do filme!

The_Book_Thief_Liesel_Nas_Escadas

Liesel – Nossa protagonista!

O filme é dirigido por Brian Percival que já fez muita coisa boa pra televisão entre eles Downton Abbey ou seja, o cara tem as manhas de fazer algo profundo e que passa emoção, ponto para os produtores ao escolher um ótimo diretor para uma adaptação desse tamanho. Pois bem, vamos ai trailer:

O Filme como falei anteriormente se passa durante a segunda guerra mundial e o visual do filme de época está impecável, tudo muito bem produzido, bem montado, realmente um filme de época que impõe respeito.

As atuações dos atores estão incríveis, a adaptação de Liesel para o cinema ficou perfeita, é uma menina meiga, inteligente e fica aficionada por livros após a famosa grande queima de livros promovida pelos nazistas, na tentativa desesperada de alienar as pessoas durante o regime nazista. Os Pais adotivos da menina, Hans Hubermann e Rosa Hubermann estão incríveis, para quem é descendente de alemães como eu vê ali o típico casal alemão, ele um pai amoroso e bem humorado que faz de tudo por Liesel, e ela uma mulher ranzinza mas de bom coração. Destaque aqui para atuação de Geoffrey Rush que está incrível, com certeza a experiência fez muito bem para ele nesse papel, me emocionou muito em certas partes do filme e me lembrou muito meu Opa (sim, aqui nós chamamos nosso Vô de Opa (em alemão).

 

 

“Estou te pedindo, te implorando. Poderia fechar sua boca por cinco minutos?”

Além dos pais da menina, ainda temos como coadjuvantes o amigo dela Rudy que é um personagem que foi muito bem adaptado do livro, também me emocionou muito a amizade verdadeira que eles construíram durante o filme, uma coisa que se perdeu muito nos tempos de hoje, um personagem que foi muito bem trabalhado, grande atuação do menino Nico Liersch. Como coadjuvante principal (como assim? É complicado explicar) juntamente com Liesel, Max, que por conta de um acontecimento na história acaba se envolvendo com a família e também constrói uma linda amizade com a menina, sem segundas intenções e sem maldade, onde acaba fomentando ainda a vontade da menina pela leitura.

 

rudy-jesse

Rudy em seu momento de Glória!

Pontos Fortes:

  • Ótima atuação do elenco.
  • Ótima ambientação de época durante a segunda guerra.
  • História e personagens muito bem adaptados do livro.
  • Filme emocionante.
  • O filme e a história te fazem acreditar na amizade, na bondade das pessoas, mesmo que o pano de fundo seja uma grande guerra.
  • Trilha sonora de John Willians que inclusive já foi indicada ao Globo de Ouro 2014.

Pontos Fracos:

  • Na minha opinião nenhum.

Nota: 10. Filme excelente, vale muito assistir no cinema e levar a família que é um filme emocionante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *